O STJ editou a Súmula 509, reconhecendo o direito do contribuinte de boa-fé ao aproveitamento de créditos de ICMS decorrentes de notas fiscais posteriormente declaradas inidôneas, desde que demonstrada a efetiva veracidade das operações de compra e venda.