Em um mundo cada vez mais competitivo e globalizado, a necessidade de diferenciar e inovar nos produtos e serviços que uma empresa oferece se faz fundamental para a sobrevivência da mesma. Além disso, os clientes e usuários estão cada vez mais conscientes das consequências que existem ao redor da produção e oferta de tais produtos e serviços, de forma que, o manuseio adequado da proteção do conhecimento gerado por estes resultará em uma ferramenta muito valiosa para as empresas.

Perguntas como: O que os clientes estão querendo?; como podemos atender essa demanda?; que soluções os concorrentes estão oferecendo?; qual é a tendência tecnológica ao serviço associado? Elas permitem desenhar estratégias de investigação, desenvolvimento e inovação (I+D+I) direcionadas a atender as necessidades dos clientes e a gerar elementos de diferenciação?

No entanto, enquanto o mercado pode dar uma luz sobre a resposta a primeira pergunta (O que os clientes estão querendo?), a Propriedade Intelectual se torna um aliado muito importante para o empresário na hora de se responder as demais perguntas. Por exemplo, a vigilância tecnológica permitirá responder as perguntas:

Quais soluções os competidores estão oferecendo? E qual é a tendência tecnológica ao serviço associado? Dado à área de I+D+i um guia sobre a melhor maneira de dispor dos recursos disponíveis, evitando esforço duplo e respondendo, mediante ao desenvolvimento do I+D+i, a outra pergunta: Como podemos atender ditos requerimentos? Finalmente os frutos destas atividades poderão proteger-se, mediante os diferentes mecanismos de Propriedade Intelectual disponíveis, blindando a empresa frente aos competidores.

As empresas podem acessar aos diferentes mecanismos de proteção de seus ativos intangíveis dentro dos quais se destacam as marcas, as patentes e os desenhos industriais, mas também estão os segredos industriais, direitos de autor, os cultivares e as denominações de origem. Cada empresa poderá, mediante a gestão da proteção, contar com um portfólio de ativos intangíveis ajustado ao seu perfil e necessidades, que poderá ser explorado segundo as diretrizes estratégicas e os objetivos corporativos respectivos.

Se tem, então, que a geração de conhecimento e diferenciação nas empresas deveria estar associada a um acompanhamento permanente dos instrumentos de propriedade intelectual, estabelecendo em cada passo uma otimização da informação disponível no estado de arte, a proteção dos resultados e a posterior gestão do portfólio.

Porque então, é tão relevante a propriedade intelectual como ferramenta competitiva e inovação para as empresas? Conforme mencionado anteriormente, a propriedade intelectual permite proteger aqueles elementos que concedem efeitos diferenciadores e por tanto, representam um retorno econômico sobre o investimento feito em I+D+i. Igualmente, dado que esses elementos são os bens das empresas, podem ser geridos, explorados, vendidos, licenciados e transferidos, em resposta a uma estratégia comercial. Por último, uma empresa que protege seus ativos intangíveis geram uma imagem de seriedade e compromisso para os clientes e demais stakeholders.