Após semanas sendo incluída na pauta deliberativa do Plenário da Câmara dos Deputados para a conclusão da votação, o Projeto de Lei nº 4.567/2016, de autoria do então Senador José Serra (PSDB-SP), teve a votação dos destaques iniciada, mas não terminada. O Plenário rejeitou dois destaques do Deputado Henrique Fontana (PT-RS), sendo que um deles pretendia manter a Petrobrás como operadora exclusiva em blocos de exploração com potencial de 2 exclusiva em blocos de exploração com potencial de recuperação de óleo acima de 1 bilhão de barris e, o outro, previa essa mesma obrigatoriedade para blocos com um mínimo de 500 milhões de barris de petróleo recuperável. Ambos foram rejeitados com mais de 260 votos contrários. Por último, o Plenário votou um destaque da bancada do Partido Socialista (PSOL) que pretendia manter o atual conceito de operador do pré- sal no regime de partilha, que indica a Petrobras como operadora única. A matéria foi negada em votação simbólica, quando não há verificação de quórum e geralmente é reservada a questões que estão previamente acordadas pelos Deputados. Após concluída a votação na Câmara, o Projeto voltará ao Senado Federal que apreciará, tão somente, as modificações aprovadas ao texto pelos deputados.